CATEGORIA

Aos 83 anos, morre Pedro Paulo de Melo Saraiva em São Paulo

Assistente de Vilanova Artigas, parceiro de Paulo Mendes da Rocha, Saraiva era atualmente professor da FAU Mackenzie, onde se formou em 1955.

 

O arquiteto e urbanista Pedro Paulo de Melo Saraiva,

 

O velório acontecerá hoje, terça-feira, dia 16 de agosto, a partir das 12h, no Instituto dos Arquitetos do Brasil – IAB/SP, Rua Bento Freitas 306,  Vila Buarque, São Paulo, em horário ainda não divulgado.

 

Nascido em Florianópolis, em 29 de junho de 1933, o arquiteto Pedro Paulo de Melo Saraiva gradua-se em 1955, pela escola de arquitetura da Universidade Mackenzie, onde convive com muitos colegas de faculdade que também vão tornar-se arquitetos destacados, como Paulo Mendes da Rocha, com quem desenvolve alguns projetos e com quem participa de cinco concursos no início da carreira, José Maria Gandolfi, Luiz Forte Netto, João Eduardo de Gennaro, Jorge Wilheim, Fábio Penteado, Marc Rubin, Alberto Botti, Júlio Neves, Francisco Petracco, Alfredo Paesani e tantos outros.

 

Recém-formado em 1955, Saraiva forma equipe com Júlio Neves e participa do Concurso do Plano Piloto da Nova Capital, quando aproveita para visitar as obras do Palácio da Alvorada e do Hotel de Brasília, que iniciaram construção antes do concurso. Logo depois, ainda no final anos 1950, irá projetar, com Miguel Juliano, o Edifício Quinta Avenida – quando inicia profícua colaboração com o Engenheiro Roberto Zuccolo, calculista de muitas de suas obras –, e o Edifício CNI em Brasília, com Paulo Mendes da Rocha. Com este, ganha o concurso para a Assembleia Legislativa de Santa Catarina, em 1957, mas perde o concurso do Clube Paulistano em 1958, ficando em segundo lugar. Em 1962, com o Edifício Pedra Grande, Saraiva inicia parceria com o outro engenheiro de sua confiança, Mário Franco, responsável pelo conceito estrutural e para quem projetaria a casa da família.

 

Pedro Paulo de Melo Saraiva é autor de uma obra numerosa e importante, com destaque para a Sede Social do Clube XV (com Francisco Petracco, Santos, 1963), Salão de Festas do Esporte Clube Sírio (com Miguel Juliano e Sami Bussab, 1966), Palácio da Justiça do Estado de Santa Catarina (com Francisco Petracco e Sami Bussab, Florianópolis, 1966), Ponte Colombo Salles (Florianópolis, 1971), Escola de Administração Fazendária – ESAF (com Sergio Ficher, Brasília, 1973), Sede Administrativa da Prodesp (com Setsuo Kamada, 1975), Requalificação do Mercado Municipal (Pedro de Melo Saraiva e Fernando de Magalhães Mendonça, São Paulo, 2002), Edifício Sede do Confea – Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (com Pedro de Melo Saraiva e Fernando de Magalhães Mendonça, Brasília, 2007), além de uma série qualificada de edifícios em São Paulo, casos do Solar do Conde (com José Maria Gandolfi, 1962), Capitânia e Acal (com Sergio Ficher e Henrique Cambiaghi, 1973 e 1974), Albar e Tamar (com Maurício Tuck Schneider, 1963 e 1964) e Chateau de Ville (1985).  Nos anos 1960 projeto uma série de edifícios em Santos para o engenheiro e incorporador Rubens Paiva, com destaque para o Portofino (1961) e Portovelho (com Francisco Petracco, 1963).

 

Participante ativo de concursos de arquitetura, com diversas obras realizadas através dessa modalidade, concorreu sem êxito nos concursos para o Centre Beaubourg (Paris, 1971), Pavilhão Brasileiro na Feira Expo’92 de (com Sidney Rodrigues, Sevilha, 1992) e Centro de Conferências de Libreville (com Pedro de Melo Saraiva, Fernando de Magalhães Mendonça, Gustavo Cedroni, Martin Corullon e César Shundi Iwamisu, Gabão, 2012). Neste último, vencido por Work Architecture Company, ficou em 2olugar, à frente de arquitetos e escritórios renomados, diversos deles ganhadores do prêmio Pritzker: Jean Nouvel, Norman Foster, Frank Gehry, Herzog & De Meuron, Sou Fujimoto, Peter Zumthor, Diller Scorfidio + Renfo, Rem Koolhaas, Renzo Piano e Zaha Hadid.

 

Atualmente desenvolvia uma série de projetos para Ilhabela, litoral de São Paulo.

 

Livro

 

Com recursos obtidos via edital do Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo – CAU/SP, e autoria do arquiteto e professor Luis Espallargas Gimenez, o livro Pedro Paulo de Melo Saraiva, arquiteto foi lançado pela Romano Guerra Editora no mês de junho de 2016.

 

Produzido a partir de ampla pesquisa documental e iconográfica, além de entrevistas com o próprio Pedro Paulo. A partir de seus relatos, o livro aborda as seguintes questões: origem e formação, influências e principais edifícios residenciais, diversidade de programas e tipologias de projetos, questões técnico-construtivas, atuação em agências governamentais, além de sua vida acadêmica, como assistente de Vilanova Artigas, ao lado de Paulo Mendes da Rocha, na FAU USP, e como professor titular da FAU Mackenzie.

 

O livro conta também com destaques dos projetos de grande relevância social e qualidade arquitetônica e ensaios fotográficos de edifícios, de autoria do fotógrafo Nelson Kon, Joana França, Leonardo Finotti, Marcos Piffer, entre outros. Entre os projetos destacam-se a sede da Companhia de Processamento de Dados do Estado de São Paulo – Prodesp, a Escola de Administração Fazendária – ESAF, em Brasília, os edifícios 5ª Avenida e ACAL, em São Paulo, e o salão de festas do Esporte Clube Sírio.

 

O livro faz parte da Série Arquitetura Brasileira criado pela Romano Guerra Editora e Instituto Lina Bo e P.M. Bardi, que será composta por livros que abordarão os trabalhos de arquitetos atuantes no Brasil, cujas obras tenham contribuído para o engrandecimento desta área da cultura, como Giancarlo Palanti, Carlos Millan, Abrahão Sanovicz, entre outros.

 

Link relacionado:

 

CAU/BR: Entrevista com Pedro Paulo de Melo Saraiva: Nossa elite é ignorante

 

FONTE: VITRUVIUS

 

Publicado em 16/08/2016

MAIS SOBRE: CATEGORIA

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

ATENDIMENTO E SERVIÇOS

Central de Atendimento do CAU/BR não funcionará na Sexta-feira Santa

ACERVOS

Seminário TOPOS:  CAU/BR e FAU/UnB promovem debate sobre a importância de acervos e arquivos de urbanismo no país 

#MulherEspecialCAU

“Arquiteta, na solidão da sua profissão, seu nome pede valorização!”, defende Tainã Dorea

Assistência Técnica

Mais médicos/Mais arquitetos: mais saúde para o Brasil (artigo de Nadia Somekh no portal do Estadão)

Pular para o conteúdo