CATEGORIA

Morre Zaha Hadid, primeira arquiteta a vencer o Prêmio Pritzker

Foto: BBC

 

Zaha Hadid, considerada uma das melhores arquitetas do mundo e a primeira mulher a ganhar o Prêmio Pritzker em 2004, morreu nas primeiras horas desta quinta-feira após um ataque cardíaco. Ela tinha 65 anos e, de acordo com nota divulgada em seu site oficial, havia sido internada em Miami por conta de uma bronquite.

 

Nascida em 1950, em Bagdá, capital do Iraque, Zaha Hadid estudou Arquitetura na Architectural Association, em Londres, onde teve aula com Leon Krier e Rem Koolhaas e se formou em 1977. Abriu seu próprio escritório em 1979, em Londres. Ela ficou internacionalmente conhecida por seus projetos ousados, conceituais e que seguiam a corrente desconstrutivista. Entre eles, estão o The Peak Club em Hong Kong, a Opera House de Guangzhou e o Centro Aquático dos Jogos Olímpicos de Londres. Também recebeu a medalha de ouro do Real Instituto dos Arquitetos Britânicos, o maior prêmio de Arquitetura do Reino Unido.

 

Em seu trabalho com o parceiro de escritório Patrik Schumacher, Hadid se interessava na mescla entre arquitetura, paisagem e geologia, usando tecnologias inovadoras, o que muitas vezes resultava em formas arquitetônicas inesperadas e dinâmicas.

 

O CAU/BR publicou pronunciamento sobre a arquiteta, destacando que “ela deixa não  só  um legado de obras ousadas em diversas partes do mundo, mas também uma lição de enfrentamento de desafios, crença na inovação permanente e defesa intransigente da autoria do projeto”. Leia aqui. 

 

Confira algumas das principais obras da arquiteta:

 

Centro Cultural Aliyev, Baku (Azerbaijão)

 

Centro Aquático de Londres (Inglaterra)

 

Ponte do Terceiro Milénio, Saragoça (Espanha)

 

Complexo urbano Galaxy Soho, em Pequim (China)

 

Dongdaemun Design Plaza em Seul (Coreia do Sul)

 

Ponte Sheikh Zayed, em Abu Dhabi (Emirados Árabes)

 

Ópera de Guangzhou, na província de Guangdong (China)

 

Biblioteca e Centro de aprendizagem da Universidade de Economia de Viena (Áustria)

 

Museu Riverside, em Glasgow (Escócia)

 

LINKS RELACIONADOS

 

AU: Zaha Hadid fala sobre suas raízes e o processo de criação de suas obras (por Valentina Figuerola )

Folha de S. Paulo: Uma das principais arquitetas do mundo, Zaha Hadid morre aos 65 anos (por Raul Juste Lores)

Estadão: Morre aos 65 anos a arquiteta Zaha Hadid

O Globo: Morre a arquiteta anglo-iraquiana Zaha Hadid, ganhadora do Pritzker, aos 65 anos

O Globo: Artigo: Zaha Hadid, uma arquiteta virtuosa e imortal (Por Washington Farjado, curador do Brasil na Bienal

Globo News: Morre a arquiteta iraquiana Zaha Hadid

Veja: Morreu hoje aos 65 anos a arquiteta iraquiana Zaha Hadid (blog Cidades sem Fronteiras)

AU: Morre Zaha Hadid, a primeira mulher a ganhar o Prêmio Pritzker de Arquitetura

Vitruvius: A arquiteta iraquiana Zaha Hadid morre subitamente aos 65 anos

Arco: 13 vídeos com as apresentações de projetos de Zaha Hadid

 

Publicado em 31/03/2016

 

MAIS SOBRE: CATEGORIA

0 resposta

  1. Um ícone da arquitetura. O legado deixado pela arquiteta servirá de inspirações, tendências conceituais e ficará para história como marca de nosso tempo.

  2. A arquitetura como arte e a forma singela em curvas, que marcaram a sua arquitetura, nos deixam um legado incontestável para a arquitetura e gerações futuras.

  3. .
    “Se você quer uma vida fácil, não seja arquiteto” Zaha Hadid

    .
    É bem isso… a vida é mesmo surpreendente.
    .
    Só não estamos trabalhando, nas poucas horas em que tiramos para dormir…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

ATENDIMENTO E SERVIÇOS

Central de Atendimento do CAU/BR não funcionará na Sexta-feira Santa

ACERVOS

Seminário TOPOS:  CAU/BR e FAU/UnB promovem debate sobre a importância de acervos e arquivos de urbanismo no país 

#MulherEspecialCAU

“Arquiteta, na solidão da sua profissão, seu nome pede valorização!”, defende Tainã Dorea

Assistência Técnica

Mais médicos/Mais arquitetos: mais saúde para o Brasil (artigo de Nadia Somekh no portal do Estadão)

Pular para o conteúdo