PATRIMÔNIO CULTURAL

Nadia Somekh: “Capanema não é só um patrimônio edificado: é um patrimônio de valores”

A abertura da Semana da Habitação 2021 nesta terça, 17 de agosto, coincidiu com o Dia Nacional do Patrimônio Cultural. Ao final da cerimônia, a presidente Nadia Somekh fez uma defesa da valorização do patrimônio histórico brasileiro e lembrou que o CAU Brasil e as demais entidades da Arquitetura estão envolvidas em uma força tarefa pela manutenção do caráter público do Palácio Capanema, no Rio de Janeiro.

 

“Passamos o final de semana mobilizados pela defesa deste patrimônio e encaminhamos solicitação ao Ministro da Economia para que possamos dialogar”, informou a presidente. “Nos colocamos à disposição para valorizar o nosso patrimônio, que não é só edificado: é um patrimônio de valores”.

 

Aproveitando a presença do Secretário Nacional de Habitação do Ministério do Desenvolvimento Regional, Alfredo Eduardo Santos, Nádia Somekh pediu apoio para a agenda, mas como o assunto é afeto a outra pasta, ele comentou apenas esperar que se chegue a um consenso.

 

Por outro lado, conforme a coluna de Lauro Jardim no jornal O Globo de ontem, o ministro Paulo Guedes afirmou que no leilão de venda não será avaliada apenas a proposta financeira.  “Na Europa, vários castelos foram vendidos para  a iniciativa privada e estão em excelente estado de conservação. A ideia é vender o Capanema para quem se comprometa a preservar o patrimônio cultural que esse prédio representa para o Rio de Janeiro e para o Brasil. De preferência, uma instituição cultural privada. Não é só uma questão de dinheiro”. Ao que, em tom de ironia, comentou o arquiteto Sérgio Magalhães, que conduziu a UIA2021RIO: “Talvez a França ou a Suíça estejam interessadas na compra para desmontar o prédio e remontá-lo em Paris ou Zurique? Afinal, o risco original do Palácio é de autoria do franco-suíço Le Corbusier (1887-1965), considerado um dos melhores arquitetos do mundo” (coluna Alcemo Gois, do mesmo jornal).

 

Em Brasília, diante do iminente risco a que está atualmente submetido o Palácio Gustavo Capanema, a bancada do PSOL solicitou ao Ministério Público Federal que, “em defesa da Constituição Federal, adote providências com vistas a garantir o devido cumprimento nas normas jurídicas e a preservação do patrimônio cultural brasileiro”.  A bancada argumenta que a Constituição e o de Decreto-Lei n.º 25/1937, que trata do tombamento de bens federais, impedem o leilão de bens da União tombados, apenas sua transferência para outros entidades públicas.  Para demonstrar o valor do prédio para a Arquitetura e a Cultura brasileira, o documento cita, na íntegra, a manifestação “O prédio do MEC não pode ser vendido!”, assinado pelo CAU Brasil, pelo CAU RJ, pelo IAB RJ e outras nove entidade, no primeiro momento, e que hoje já soma vinte adesões.

 

O documento, endereçado a Juliano Baiocchi Villa-Verde de Carvalho,  Subprocurador-Geral da República – Coordenador da 4ª Câmara/Meio Ambiente e Patrimônio Cultural, afirma que ‘o  tema mostra-se ainda mais grave se somado às várias outras tentativas de degradação e extinção tanto do patrimônio quanto da memória cultural do Brasil, já objeto de vários ofícios a este Ministério”.

 

No Rio de Janeiro, por sua vez, as Comissões de Cultura da Assembleia Legislativa e da Câmara Municipal decidiram acionar o Ministério Público Federal. Uma representação será enviada ao procurador regional da República no Rio cobrando “apuração dos fatos” relacionados ao processo. Em paralelo, o presidente da Assembléia Legislativa, André Ceciliano, articula com o governador Cláudio Castro a elaboração de um proposta para compra (ou transferência) do edifício.

 

 

Veja mais: Plantão Palácio Capanema: siga as últimas notícias sobre o risco de venda do edifício

Uma resposta

  1. O CAU é uma coisa estranha. O que pensaria Zanine ao ler essa matéria? Ao mesmo tempo que o CAU lança perdigotos ao EAD na arquitetura, reconhece o “traço” de um arquiteto que nunca frequentou uma universidade e cuja lapidação do oficio se deu em inúmeras viagens pessoais, auto-didatismo e convivencia com profissionais experientes, muito longe das salas de aula. LE Corbusier foi um gênio para a maioria, e Zanine também. O CAU, o AIA ou seus congeneres na Suiça ou França, não tiveram nada a ver com isso. O Capanema realmente é um marco na arquitetura moderna mundial e certamente será preservado porque tem a proteção da Lei.
    Cabe a vocês seguirem o exemplo de LE Corbusier, Zanine e outros e se ocuparem na criação de algo realmente moderno. Contribuam com a modernização do nosso país. Usem nosso dinheiro com coisas de interesse da profissão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

PATRIMÔNIO CULTURAL

Plenário do CAU/BR define novos membros da Câmara Temática de Patrimônio, com representantes da sociedade civil

PATRIMÔNIO CULTURAL

Nadia Somekh assume cadeira no Conselho Consultivo do IPHAN

PATRIMÔNIO CULTURAL

CAU Brasil e IPHAN assinam acordo para expandir atuação de arquitetos(as) e urbanistas em sítios históricos

PATRIMÔNIO CULTURAL

Presidente Nadia Somekh vai participar do Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural

Pular para o conteúdo