Habitat III

Nova Agenda Urbana: em destaque, três pontos chaves

imagem-destacada-habitatHabitação Social, Governança Metropolitana e Espaço Público foram três temas destaques na 3ª. Conferência da ONU sobre Habitação e Desenvolvimento Sustentável – Habitat III, realizada em Quito, no Equador em meados de outubro de 2016.

 

Esses são também os temas de três artigos da arquiteta e urbanista Lana Jubé, conselheira federal do CAU/BR por Goiás, uma das integrantes da comitiva oficial que representou o Conselho na Habitat III, composta ainda pelo presidente Haroldo Pinheiro e pelo conselheiro federal Fernando Diniz, de Pernambuco.

 

Para a conselheira, na medida em que o crescimento das cidades e o surgimento de novas metrópoles são inevitáveis,  a Governança Metropolitana é algo que se impõe, pois as cidades não podem ser mais vistas e geridas como núcleos isolados. “Não há como pensar em solução única, porém exatamente em razão do volume dos problemas, temos que superar os entraves legais permitindo que planos, governos e governanças destas regiões possam ser implantados e geridos’, diz a conselheira. “Essa territorialidade deverá ser definida como uma unidade federativa, com problemas e interesses comuns que devem ser mediados”, na visão de Lana Jubé.

 

Clique aqui para ler a integra do artigo “Governança Metropolitana: O papel do arquiteto e urbanista na Nova Agenda Urbana”

 

No que se refere a espaços públicos,  diz a conselheira, a Nova Agenda Urbana “vai nos cobrar, como profissionais, o compromisso de pensar e discutir a cidade como um conjunto enorme de atores sociais e econômicos, tomando como suporte as condições e particularidades ambientais do lugar para tecer esta rede urbana integrada. Uma rede que privilegie os espaços públicos como lugares de construção do bem estar coletivo, reduzindo a entropia, ampliando a resiliência e caminhando enfim para a sustentabilidade”. 

 

Clique aqui para ler a íntegra do artigo ‘Espaço Público: o papel do arquiteto e urbanista na implementação da Nova Agenda Urbana”

 

Na área de habitação social, na leitura de Lana Jube, os debates da Habitat III deixaram claro que a questão central não é a redução do déficit habitacional, mas a redução da desigualdade, dado ser a casa o “lócus” da produção da vida. “A Nova Agenda Urbana tem de dar respostas à cidade que queremos e com que casa queremos”. Além disso, ressalta, a questão da habitação no Brasil passa pela revisão profunda das políticas específicas de cada Estado e Município da federação. “Os programas de habitação das cidades têm obrigatoriamente de estarem ligados ao sistema de transporte, o módulo da morada deve ter custo menor e a moradia tem que promover um conjunto de soluções de planejamento integradas de cidade”.

 

Clique aqui para ler a íntegra do artigo “Habitação Social: O papel do arquiteto e urbanista na nova agenda urbana”

 

Publicado em 09/11/2016

 

habitat-iii-menor-cliqueaquiok

 

 

MAIS SOBRE: Habitat III

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

ABAP

CAU e CEAU lançam abaixo-assinado por Cidades Justas e Moradias Dignas. Participe!

Habitat III

Prêmio UIA 2030: inscrições prorrogadas até 14 de janeiro de 2022

Habitat III

ONU Habitat: Circuito Urbano 2021 terá 178 eventos no Brasil

ARQUITETOS EM DESTAQUE

27o. Congresso Mundial de Arquitetos (UIA2021RIO): cobertura especial

Pular para o conteúdo