CATEGORIA

Patrimônio mundial, Pampulha marcou arquitetura brasileira

Quem passa pelo Conjunto Moderno da Pampulha não sai da mesma forma que entrou.

 

Beleza e riqueza são marcantes e, não à toa, lhe renderam um título inédito.

 

Patrimônio belo-horizontino, mineiro, brasileiro e agora de toda a humanidade, a primeira Paisagem Cultural do Patrimônio Moderno reconhecida pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) como patrimônio mundial, é a valorização de uma obra-prima do gênio criativo humano e coroa o trabalho feito há mais de 70 anos pelo arquiteto Oscar Niemeyer, o paisagista Roberto Burle Marx, o pintor Candido Portinari, artistas como Alfredo Ceschiatti e José Alves Pedrosa, além de tantos mineiros envolvidos em sua construção.

 

O Conjunto Moderno da Pampulha é reconhecido como o início da arquitetura genuinamente brasileira, moderna, voltada para a forma livre e criadora, que a caracteriza até hoje.

 

Em sua concepção se identifica a exploração da capacidade plástica do concreto armado aliando urbanismo, artes plásticas e paisagismo, além da incorporação de elementos do repertório colonial brasileiro, numa releitura criativa e ousada, expressando determinação arrojada projetual e construtiva.

 

A parceria do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) com a Prefeitura de Belo Horizonte e o governo do Estado de Minas Gerais também vale ser ressaltada.

 

O Conjunto Moderno da Pampulha entrou na lista indicativa do Brasil em 1996, mas a mobilização e estruturação da candidatura foi efetivamente iniciada em dezembro de 2012, com a sinalização de interesse e compromisso por parte da prefeitura com o Iphan e, em menos de dois anos, o dossiê foi elaborado e entregue ao Centro do Patrimônio Mundial.

 

No entanto, o título requer uma grande responsabilidade a ser compartilhada não só pelos órgãos que tutelam o bem – Iphan, prefeitura e Estado. É dever da sociedade civil zelar pelo patrimônio, preservando-o como bem precioso, que precisa de cuidado para que a atual e as futuras gerações o conheçam assim como ele foi concebido.

 

Assim como tantos brasileiros sentem-se em casa quando estão em Minas Gerais, tenho certeza de que o mesmo acontecerá com todos aqueles que visitarem a Pampulha para apreciar o belo espelho d’água que agrega, com leveza, as edificações e jardins da Igrejinha de São Francisco de Assis, Cassino (atual Museu de Arte da Pampulha), Casa do Baile (Centro de Referência em Urbanismo, Arquitetura e Design de Belo Horizonte) e Iate Golfe Clube (Iate Tênis Clube).

 

O povo mineiro, sempre acolhedor e generoso, mais uma vez ganhou o mundo. O Conjunto Moderno da Pampulha é, a partir de agora, Patrimônio da Humanidade. O título deixa os brasileiros ainda mais cheios de orgulho: é o primeiro concedido pela Unesco como Paisagem Cultural do Patrimônio Moderno.

 

FONTE: Folha de S. Paulo

MAIS SOBRE: CATEGORIA

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

CATEGORIA

Conferência das Cidades: espaço para discutir a implementação da política urbana para todo o país 

ATENDIMENTO E SERVIÇOS

Central de Atendimento do CAU/BR não funcionará na Sexta-feira Santa

ACERVOS

Seminário TOPOS:  CAU/BR e FAU/UnB promovem debate sobre a importância de acervos e arquivos de urbanismo no país 

#MulherEspecialCAU

“Arquiteta, na solidão da sua profissão, seu nome pede valorização!”, defende Tainã Dorea

Pular para o conteúdo