ASSESSORIA PARLAMENTAR

Câmara: Projeto propõe declarar Rosa Kliass patronesse da Arquitetura da Paisagem

 

Durante a última mesa do Seminário de Arquitetura e Urbanismo, dedicada ao Dia da Mulher Arquiteta e Urbanista, o Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil (CAU Brasil) anunciou nesta quinta-feira, dia 4 de agosto, que tem a intenção de protocolar na Comissão de Legislação Participativa (CLP), minuta de Projeto de Lei (PL) que declara a arquiteta e urbanista Rosa Grena Kliass patronesse da Arquitetura da Paisagem do Brasil.

 

Participaram do evento Nadia Somekh, presidente do CAU Brasil, Eleonora Mascia, presidente da Federação Nacional de Arquitetos e Urbanistas (FNA) e Cláudia Sales de Alcântara, conselheira e coordenadora da Comissão Temporária de Raça, Equidade e Diversidade (CTRED) do CAU Brasil.

 

“Rosa Kliass tem um papel extraordinário no desenvolvimento e consolidação da Arquitetura da Paisagem como profissão no Brasil”, acentuou Nadia Somekh.  VEJA MAIS ABAIXO BIOGRAFIA E ENTREVISTAS COM A HOMENAGEADA.

 

Cláudia destacou que o CAU tem feito uma gestão voltada para a diversidade entendendo que há muitas questões a serem trabalhadas nas políticas públicas. Ela, ainda, relembrou que além do Dia da Mulher Arquiteta e Urbanista foi celebrado no dia 25 de julho o Dia da Mulher Negra, Latino-americana e Caribenha. “São datas importantes. A gente entende que ao lado das questões de desigualdade e de gênero existem outras modalidades como desigualdades políticas que se articulam de forma conjuntas e sistêmicas. Isso se torna estruturante trazendo consequências danosas, principalmente, para mulheres pretas que ficam no final da fila em oportunidades de trabalho”, afirmou.

 

Cláudia Sales de Alcântara, conselheira e coordenadora da Comissão Temporária de Raça, Equidade e Diversidade (CTRED) do CAU Brasil

 

Claudia disse que a atual gestão do CAU tem lutado e trabalhado diariamente para que todas as mulheres sejam tratadas de formas justas no trabalho e com o devido respeito tentando minimizar todas as questões e as formas de opressão. Ela destacou que a Carta-Aberta aos (às) Candidatos (as) nas Eleições de 2022 contém contribuições sobre diversidade e como o Conselho tem se preocupado desde o início da gestão com o tema.

 

Segundo Eleonora Mascia, “além da questão das entidades de arquitetura trazerem mulheres, a política que cada uma das entidades vem adotando independente do seu gestor, há uma abertura importante nos últimos anos para o reconhecimento de que precisamos ter iniciativas, precisamos ter propostas que deem conta do enfrentamento da enorme desigualdade de gênero, de raça, de opção sexual, da necessidade da gente promover diversidade seja na nossa entidade profissional, na nossa atuação política ou na sociedade como um todo isso é importante.”

 

Eleonora Mascia, presidente da FNA

 

A presidente da FNA, disse que “quando o CAU define um Dia da Mulher Arquiteta e Urbanista é porque reconhece que mais de 60% são profissionais mulheres, que são profissionais que tem um salário menor, que tem menos oportunidade, que há sim uma diferenciação e discriminação no tratamento do ponto de vista social e que isso precisa ser enfrentado e colocado”.

 

Rosa Kliass

 

Rosa Grena Kliass nasceu em São Roque, município de São Paulo, em 1932, e formou-se pela Escola de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU-USP) em 1955. Começou sua atividade profissional com projetos de pequena escala e na década de 1960 ampliou sua escala de trabalho para o planejamento da paisagem, trabalhando em planos diretores para cidades brasileiras com o urbanista Jorge Wilheim, e no plano de áreas verdes para a cidade de São Paulo.

 

Em 1969 Rosa recebeu uma bolsa de estudos e passou três meses viajando pelos Estados Unidos para conhecer de perto o que havia de mais atual em termos de Arquitetura da Paisagem – projetos, escritórios, órgãos públicos e também universidades para se informar sobre os programas de formação nesse campo do conhecimento. Trouxe para o Brasil referências que nortearam suas diretrizes de planejamento e de projeto paisagístico.

 

Nos anos 1980, Rosa fez o mestrado na FAU-USP, com uma dissertação sobre a evolução dos Parques Urbanos na Cidade de São Paulo, que foi publicada em 1993.

 

Rosa abriu seu próprio escritório em 1970 – o primeiro no Brasil a ser liderado por uma arquiteta, o que já revelava seu pioneirismo. Ao longo destes anos, desenvolveu trabalhos no campo da Arquitetura da Paisagem nas mais diversas escalas, incluindo planos regionais, planos diretores para várias cidades brasileiras, projetos paisagísticos na escala urbana incluindo parques, avenidas e outras tipologias, projetos de regeneração ambiental, projetos paisagísticos institucionais, públicos e privados. Atuou também diretamente em políticas públicas voltadas para proteção e gestão da paisagem urbana, com cargos públicos na cidade de São Paulo. Seu trabalho marcou importantes cidades brasileiras a partir de suas intervenções em espaços públicos, quando ela sempre deixou clara sua visão da intervenção paisagística como uma ação estruturante, se posicionando com firmeza e erudição junto a clientes e políticos. Rosa foi a primeira mulher a fazer parte da diretoria do IAB/SP (1959/1960/1961).

 

Entre inúmeras obras, Kliass destacou-se pelos projetos paisagísticos para a Avenida Paulista (1973), a revitalização do Vale do Anhangabaú (1981), ambos em São Paulo, e pelas obras em grande escala para os Estados do Amapá (Parque do Forte) e do Pará (Mangal das Garças e Complexo Feliz Lusitânia), no início dos anos 2000.

 

Rosa Kliass tem um papel extraordinário no desenvolvimento e consolidação da Arquitetura da Paisagem como profissão no Brasil. Ao filiar-se à Federação Internacional de Arquitetos Paisagistas (IFLA) como membro individual, em 1974, durante o congresso mundial recebeu do Secretário Geral da IFLA de Portugal o desafio de criar uma associação brasileira. Na volta ao Brasil, Rosa liderou a criação da Associação Brasileira de Arquitetos Paisagistas (ABAP), em 1976, a qual presidiu em várias oportunidades. A partir da ABAP, Rosa liderou congressos, palestras, viagens de estudo nacionais e internacionais, assim como diversos programas de especialização e capacitação, que têm contribuído para multiplicar tanto professores qualificados quanto profissionais de prática privada e pública.

 

Rosa Kliass foi homenageada na 6ª Bienal Internacional de Arquitetura, realizada em São Paulo em 2005, com uma sala de exposição de seus projetos. Em 2011, foi homenageada pela Universidade de Harvard, EUA, como uma das três mulheres paisagistas modernistas mais importantes das Américas. E em 2019 foi a primeira arquiteta a receber o Colar de Ouro do Instituto de Arquitetos do Brasil, símbolo do reconhecimento da sua contribuição para o engrandecimento da Arquitetura e Urbanismo no Brasil.

 

Leia matéria: Rosa Kliass recebe o primeiro Colar de Ouro do IAB concedido a uma mulher.

 

 

Confira a Entrevista com Rosa Kliass:

 

 

 

[embedyt] https://www.youtube.com/watch?v=fNpOZ8IuXsA[/embedyt]

 

 

[embedyt] https://www.youtube.com/watch?v=83NwlMpjO5U[/embedyt]

 

 

[embedyt] https://www.youtube.com/watch?v=i4Yp7qkvHAA[/embedyt]

 

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

ASSESSORIA PARLAMENTAR

CAU Brasil sugere redução de 30% das alíquotas dos tributos para serviços de Arquitetura e Urbanismo

ASSESSORIA PARLAMENTAR

Sugestão do CAU Brasil se torna indicação na grade curricular de Educação Básica

ARQUITETOS EM DESTAQUE

Deputada e arquiteta Denise Pessôa recebe CAU Brasil na Câmara Federal

ASSESSORIA PARLAMENTAR

NOTA OFICIAL: Esclarecimentos sobre o PL 2081/2022

Pular para o conteúdo