EVENTOS

Presidente Nadia Somekh fala sobre desafios para o direito à cidade no XIX ENANPUR

“Estamos atuando para organizar a base no território nacional porque é coletivamente que vamos construir o direito à cidade”, afirmou Nadia Somekh

 

“O Brasil vive um momento em que é preciso resgatar a base para construir a cidadania”. A afirmação foi feita pela presidente do CAU Brasil, Nadia Somekh, durante a mesa “Desafios à construção de uma rede nacional pelo Direito à Cidade”. A sessão online fez parte do segundo dia de programação do XIX Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Planejamento Urbano e Regional (XIX ENANPUR) na segunda, 23 de maio. Junto com as convidadas Erminia Maricato (USP) e Angela Gordilho (UFBA), a presidente refletiu sobre a chamada geral do encontro: “Planejando o Urbano e o Regional – Organizando a Esperança” no debate mediado pelo professor Paolo Colosso (UFSC). 

 

“Nós temos leis de enquadramento institucional, mas a regulação urbanística do nosso país não garante o direito à cidade”, afirmou Nadia, observando que é necessário reavivar a democracia participativa para garantir direitos. Tomando como exemplo ações desenvolvidas pelo BR Cidades e os esforços empreendidos pelo próprio CAU Brasil, como a campanha Mais Arquitetos e o movimento em torno da Carta dos (as) Arquitetos (as) aos (às) Candidatas nas Eleições 2022, afirmou que existem ações importantes sendo realizadas no sentido de sensibilizar a população. Para a presidente, faz parte  da função social do CAU atuar como agente articulador da melhoria das condições de trabalho e de vida dos arquitetos e urbanistas e, ao mesmo tempo, enfrentar o cenário brasileiro de 25 milhões de moradias precárias. 

 

Estamos atuando para organizar a base no território nacional porque é coletivamente que vamos construir o direito à cidade. Queremos formar um exército para incluir a população de baixa renda neste direito. Mas é preciso desfragmentar as ações que estão em curso e consolidar políticas públicas de Estado”, disse a presidente, reafirmando a importância de eleger candidaturas comprometidas com estes desafios. 

 

Nadia também conclamou a plateia de docentes e pesquisadores a considerarem o papel estratégico dos arquitetos e urbanistas na construção do país na fase de formação dos alunos. “Temos que popularizar a arquitetura e trabalhar com essa perspectiva de entender qual é a participação dos nossos profissionais na construção coletiva do direito à cidade”, afirmou.

 

“Somos um elo da construção coletiva em rede”, afirmou Angela Gordilho

 

A professora Angela Gordilho fez um resgate das contribuições políticas dos arquitetos e urbanistas para a construção de uma política de habitação nacional. A partir do conceito do “SUS da Habitação”, defendido por Clovis Ilgenfritz, e da lei da Assistência Técnica para Habitação de Interesse Social (Lei 11.888/2008), de autoria do arquiteto Zezéu Ribeiro. “A lei de ATHIS é uma diretriz fundamental para a gente fortalecer a luta por políticas habitacionais nestes momentos de desmonte”, disse, destacando ainda a presente agenda do CAU e entidades da arquitetura e urbanismo como exemplo de relevância que as organizações da sociedade civil podem assumir. Angela Gordilho lembrou o momento de ataque à ciência e defendeu a força extensionista da universidade pública como espaço de diálogo com a cidade. A professora mencionou a residência em arquitetura, que oferece uma dimensão inovadora transdisciplinar e propicia a troca de saberes com as comunidades, como exemplo de contraponto à formação elitista. “Somos um elo da construção coletiva em rede. É uma tarefa de muitas mãos, de larga escala, que precisamos realizar para fazer valer a lei da ATHIS”, disse.

 

Em sua intervenção, a professora Ermínia Maricato detalhou ideias propostas no artigo que produziu em colaboração para o hotsite Eleições 2022 do CAU Brasil, intitulado “Propostas para uma política urbana à brasileira”. Acesse aqui. O tema será retomado durante sua participação no Ato Público que o CAU realiza no dia 25, mais um desdobramento da Carta aos candidatos. Saiba mais!

 

Ermínia Maricato detalhou ideias propostas no artigo publicado hotsite Eleições 2022 “Propostas para uma política urbana à brasileira”

 

Ermínia fez um amplo resgate das contribuições dos arquitetos e urbanistas para a construção da democracia participativa desde o histórico Seminário de Habitação e Reforma Urbana em Quitandinha e São Paulo, promovido pelo IPASE e IAB em 1963. Também marcou momentos como a fase da redemocratização do país, a construção da Constituição Cidadã, nos anos 80; e os ciclos das prefeituras democráticas e programas habitacionais até oferecer sua leitura sobre o momento atual. Para a professora, o solapamento da memória é uma marca da sociedade colonial e é preciso resgatá-la para rearticular a democracia participativa. 

 

A coordenadora do BR Cidades destacou a urgência de descentralizar os recursos para investir na cidade informal. Também trouxe o enfrentamento ao racismo como fator central para as mudanças sociais e urbanas. “Este país nunca vai ser uma democracia se não enfrentar a questão racial. Mais de 50 anos de escravidão não acabaram se considerar a condição das periferias”, afirmou. Por fim, também conclamou à escuta dos debates contemporâneos. “Há algo de novo acontecendo nas cidades brasileiras, um chamamento cheio de vigor. Precisamos canalizar toda essa energia e aprender a entregar o bastão pra moçada que também está traçando caminhos para a política urbana e habitacional do país”, disse Ermínia Maricato. 

 

O CAU Brasil também esteve representado na Sessão Temática do Direito à cidade do XIX ENANPUR na terça-feira, 24 de maio. A Vice-presidente Daniela Pareja Garcia Sarmento e a assessora Ana Laterza apresentaram o tema “Cidades inclusivas para as mulheres: O papel do Conselho de Arquitetura e Urbanismo em pugnar pelo direito das mulheres à cidade”. Saiba mais 

 

Confira a programação completa do XIX ENANPUR

MAIS SOBRE: EVENTOS

2 respostas

  1. bom dia, entao sobre a atuacao do cau rb nas cidades creio que tem que esta mais presente lembro antes de nao ser uma autarquia o entao antigo crea com arquitetura era atuante nos projetos e construçoes pela cidade era muito presente, hoje nao vemos fiscalização e esta cheio de empreitadas sendo mal feitas por ai justamente por nao ter um profissional tecnico e habilitado para execução, tem que voltar urgente com as fiscalizações nas cidades, abraços a todos e bom trabalho

    AMS ARQUITETO E URBANISTA
    Concepção, Planejamento, Execução e Finalização
    (21) 3584-2817
    (21) 99370-8127
    [email protected]
    https://sites.google.com/view/amsau/
    De segunda à sexta das 08:00h às 18:00h
    Aceitamos cartões

    1. Olá! Agradecemos o contato.

      A Nova Gestão do CAU Brasil está trabalhando para apoiar a fiscalização orientativa, entendendo as transformações da atividade do arquiteto e apoiando os CAU/UF no enfrentamento da precarização do mercado. Além disso, o CAU Brasil busca esclarecer a sociedade e a categoria sobre os processos de fiscalização do pleno exercício profissional nas etapas de projeto, planejamento e execução de obras. ??♀️

      Nesta nova fase, a Fiscalização do CAU está implementando novos procedimentos em todo o país. O CAU Brasil criou uma Comissão Temporária de Fiscalização para promover boas práticas entre os CAU/UF. Saiba mais em https://bit.ly/3xtpo4W

      ❗Lembramos que a fiscalização é realizada pelos CAU/UF, conforme determina a Lei 12.378/2010. O CAU Brasil é responsável por promover as normas gerais de fiscalização e analisar possíveis recursos de processos já julgados pelo CAU/UF.

      ? Publicamos semanalmente ações de fiscalização dos CAU/UF em nossas redes sociais. Saiba mais como funciona a fiscalização dos CAU/UF em https://bit.ly/2kTOUyT

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

EVENTOS

Patrícia Sarquis Herden é presença confirmada no 3º Fórum Mundial Niemeyer 

EVENTOS

Inscrições abertas para o Fórum Urbano Mundial

EVENTOS

World Architecture Festival (WAF) recebe inscrições com desconto até 28 de março

EVENTOS

Estão abertas as inscrições do 7º Congresso Internacional de Arquitetura da Paisagem

Pular para o conteúdo