ARQUITETOS EM DESTAQUE

Pritzker 2020: Yvonne Farrell e Shelley McNamara recebem maior prêmio da Arquitetura

Arquitetas irlandesas Yvonne Farrell e Shelley McNamara, do Grafton Architects, são as vencedoras do Prêmio Priztker 2020. Trata-se da maior honraria concedida a arquitetos de todo o mundo, considerada o “Nobel da Arquitetura”. “Yvonne e Shelley praticam Arquitetura juntas há quarenta anos de uma maneira que reflete claramente os objetivos do Prêmio Pritzker: reconhecer a arte da arquitetura e o serviço consistente à humanidade, como evidenciado por um conjunto de obras construídas”, disse o júri.

 

Arquitetas irlandesas Yvonne Farrell e Shelley McNamara, do Grafton Architects, vencedoras do Prêmio Pritzker 2020. Foto: Andrea Avezzu

 

Em 1978, fundaram em Dublin a Grafton Architects, que recebeu esse nome por causa da rua onde o escritório se localizava, justamente para priorizar a existência do lugar, e não dos indivíduos. Projetos significativos incluíram North King Street Housing (Dublin, Irlanda 2000); Instituto Urbano da Irlanda, University College Dublin (Dublin, Irlanda 2002); Solstice Arts Center (Navan, Irlanda 2007); Escola Comunitária Loreto (Milford, Irlanda 2006); Escritórios para o Departamento de Finanças (Dublin, Irlanda 2009); e Faculdade de Medicina, Universidade de Limerick (Limerick, Irlanda 2012).

 

Elas são bolsistas do Instituto Real dos Arquitetos da Irlanda e bolsistas honorárias internacionais da RIBA. Já ocuparam a cadeira Kenzo Tange na Harvard Graduate School of Design (2010) e a cadeira Louis Kahn na Universidade de Yale (2011) e lecionaram em instituições como a École Polytechnique Federal de Lausanne e a Academia di Architettura di Mendrisio. Seu escritório Grafton Architects recebeu o Prêmio Leão de Prata da Bienal de Veneza de 2012 pela exposição Arquitetura como Nova Geografia. Foram nomeadas co-curadoras da Bienal de Veneza 2018. Neste ano, receberam a Medalha de Ouro do RIBA.

 

“University of Limerick Medical School”, projeto do escritório Grafton Architects, de Yvonne Farrell e Shelley McNamara. Foto: Dennis Gilbert

 

 

ARQUITETURA PARA O LUGAR

O Prêmio Priztker reconheceu a capacidade das arquitetas em fazer arquitetura para o local específico aonde ela seria construída e as pessoas que a usariam. Sua obra inclui numerosos edifícios educacionais, moradias e instituições culturais e cívicas.

 

Nova sede da Universidade de Engenharia e Tecnologia (UTEC), projeto do escritório Grafton Architects + Shell Arquitectos. Foto: Shell Arquitectos

 

“As arquitetas entendem como projetar seções complexas de edifícios de forma que as vistas conectam espaços interiores profundos com o domínio exterior maior, e permitem que a luz natural penetre os espaços interiores. Muitas vezes, a luz sai de clarabóias ou janelas do andar superior para todo o interior de seus edifícios, proporcionando calor e interesse visual, ajudando os habitantes a se orientar facilmente nos espaços e fornecendo a conexão sempre necessária ao exterior”, afirmou o júri do prêmio.

 

“Kingston University Town Hous”e, projeto do escritório Grafton Architects, de Yvonne Farrell e Shelley McNamara. Foto: Ed Reeve

 

Outras qualidades destacadas na justificativa são sua prática profissional colaborativa, sua generosidade com os colegas (evidenciada na Bienal de Veneza 2018), seu compromisso incessante com a excelência, atitude responsável em relação ao meio ambiente, capacidade de serem cosmopolitas e abraçar a singularidade de cada local em que trabalham.

 

O JURI

O júri independente do Pritzker de especialistas varia de cinco a nove membros, que atuam por vários anos para garantir um equilíbrio entre os membros antigos e novos e são encarregados de selecionar o vencedor a cada ano. Nenhum membro da família Pritzker ou observadores externos estão presentes durante as deliberações do júri. Os membros do júri são profissionais reconhecidos em seus próprios campos de arquitetura, negócios, educação, publicação e cultura. Essa é a composição atual do juri:

 

  • Stephen Breyer (Presidente): juiz da Suprema Corte dos Estados Unidos. Ele sempre teve um interesse especial em arquitetura: ajudou a supervisionar o projeto e a construção do Palácio de Justiça e do Harbor Park dos Estados Unidos de John Joseph Moakley em Boston e escreveu o prefácio de livro sobre o Palácio,  elogiado guia para arquitetos, seus clientes e o público.
  • André Aranha Corrêa do Lago: diplomata e atual embaixador brasileiro na Índia.   Foi também embaixador no Japão e serviu ainda na Espanha, nos Estados Unidos, na República Tcheca, na Argentina e na missão brasileira junto à Comunidade Européia. Foi curador do pavilhão brasileiro na Bienal de Veneza em 2014. Membro do Conselho Internacional de Museus de Arte Moderna, escreveu vários livros sobre Arquitetura brasileira.
  • Kazuyo Sejima:   arquiteta japonesa, recebeu o Prêmio Pritzker de Arquitetura de 2010 ao lado de Ryue Nishizawa, ambos co-fundadores da SANAA de Toyko, inaugurada em 1995. Ela é professora na Universidade Politécnica de Milão; Universidade de Artes Aplicadas de Viena; Universidade Keio, Tóquio; Escola de Arquitetura de Yokohama, Y-GSA; e professor visitante na Japan Women’s University, Tóquio.
  • Benedetta Tagliabue: arquiteta de Barcelona, Espanha, é diretora do escritório de arquitetura internacional EMBT Miralles Tagliabue, fundado em 1994 em colaboração com Enric Miralles, com sede em Barcelona e, desde 2010, em Xangai.
  • Wang Shu: arquiteto chinês,   laureado com o Prêmio Pritzker de Arquitetura de 2012,  é decano da Escola de Arquitetura da China Academy of Art, Hangzhou, e co-fundador do Amateur Architecture Studio, que estabeleceu com sua parceira e esposa, Lu Wenyu, em 1997.
  • Barry Bergdoll:  professor de História da Arte e Arqueologia de Meyer Schapiro na Universidade de Columbia e ex-curador-chefe de arquitetura e design de Philip Johnson, Museu de Arte Moderna de Nova York.
  • Deborah Berke: arquiteta de renome  internacional, educadora e diretora da Escola de Arquitetura de Yale, nos Estados Unidos. Ela recebeu uma Medalha de Honra 2019 do Capítulo AIA (Instituto Americano de Arquitetos) de Nova York.
  • Martha Thorne é diretora executiva do Pritzker Architecture Prize desde 2005. Nesse cargo, ela trabalha em estreita colaboração com o júri; no entanto, ela não vota no processo. Atualmente, ela é reitora da IE School of Architecture em Madri, Espanha

 

O PRÊMIO

O Prêmio Pritzker de Arquitetura é um prêmio internacional estabelecido por  Jay A.  (1922-1999) e  Cindy Pritzke  por meio da Hyatt Foundation, em 1979. É frequentemente chamado de “Prêmio Nobel de Arquitetura” e “maior honra da profissão”. Dois arquitetos brasileiros já foram laureados: Oscar Niemeyer (1988) e Paulo Mendes da Rocha (2006).

 

O objetivo do Prêmio Pritzker de Arquitetura é homenagear um arquiteto ou arquitetos vivos, cujo trabalho construído demonstra uma combinação de talento, visão e comprometimento; e produziu contribuições consistentes e significativas para a humanidade e o ambiente construído através da arte da arquitetura.

 

Os Pritzkers são conhecidos há muito tempo por apoiar atividades educacionais, científicas, médicas e culturais. Thomas J. Pritzker, atual presidente da The Hyatt Foundation, ao lado de sua esposa, Margot Pritzker, explica: “Como habitantes de Chicago, não é de surpreender que nossa família estivesse profundamente ciente da arquitetura, morando no berço do arranha-céu, uma cidade cheia de gente. com edifícios projetados por lendas arquitetônicas como Louis Sullivan, Frank Lloyd Wright, Mies van der Rohe e muitos outros. Meus pais acreditavam que um prêmio significativo incentivaria e estimularia não apenas uma maior conscientização pública sobre os edifícios, mas também inspiraria uma maior criatividade dentro da profissão de arquiteto. ”

 

O Prêmio Pritzker é concedido a um arquiteto ou arquiteto vivo, mas não a um escritório de arquitetura. Não está vinculado a um tipo de arquitetura ou a um edifício específico, mas a um conjunto de obras construídas.

 

O laureado com o Prêmio recebe uma doação de US $ 100.000, um certificado formal de citação e, desde 1987, um medalhão de bronze baseado nos desenhos de Louis Sullivan, famoso arquiteto de Chicago geralmente reconhecido como o pai do arranha-céu. De um lado está o nome do prêmio. No reverso, três palavras estão inscritas: “firmeza, utilidade e beleza”,  lembrando os princípios fundamentais da arquitetura do arquiteto romano Vitruvius.

 

Uma resposta

  1. parabens pelo conjunto da obra….estamos sempre atentos ao uso,local e as pessoas que vao habitar em nossas realizações publicas ou prvadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

ARQUITETOS EM DESTAQUE

Falece aos 74 anos Jean-Louis Cohen, referência no estudo de arquitetura e urbanismo do século XX

PRÊMIOS

Presidente do CAU Brasil receberá Prêmio Carmen Portinho

ARQUITETOS EM DESTAQUE

Oscar Niemeyer: Um ícone da Arquitetura Brasileira rumo ao Livro dos Heróis e Heroínas da Pátria

PRÊMIOS

Pavilhão do Brasil ganha Leão de Ouro na Bienal de Arquitetura de Veneza

Skip to content