CATEGORIA

Professor Mario Mendonça denuncia erros do projeto de restauro do Forte Santa Maria

 

O professor Mario Mendonça em documento enviado à Superintendência do IPHAN, na Bahia, afirma que a tipologia distributiva e a configuração espacial do Forte não foi respeitada no projeto de restauro, tendo como dano mais grave a derrubada das paredes internas originais da época do tombamento. O Forte de Santa Maria foi tombado individualmente em 1938 e mantinha, até então, sua antiga configuração, com a casa da guarda e alojamento da guarda e da guarnição, no nível da praça de armas, e, na parte superior, o alojamento do comandante e a sala do comando.

 

O Forte localiza-se na praia do Porto da Barra, no bairro da Barra, primitivo porto da cidade de Salvador. A fortaleza foi construída pelos portugueses, em torno de 1630, depois da primeira invasão holandesa de Salvador, e formava, com o Forte de Santo Antônio e o Forte de São Diogo, o conjunto defensivo da entrada da Baía de Todos os Santos.

 

Fechado para a visitação desde 2012, o Forte tem sua reabertura prevista para o primeiro semestre de 2016. O projeto de reforma e restauro contratado pela Prefeitura Municipal de Salvador e aprovado pelos Institutos do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e Artístico e Cultural da Bahia (Ipac) tem por objetivo tornar o Forte um centro cultural dedicado ao fotógrafo Pierre Verger.

 

A seguir a entrevista dada pelo professor Mário Mendonça ao CAU/BA.

 

CAU: Além da demolição das paredes internas do andar superior, que outros detalhes o senhor considera que estão incorretos no projeto de restauro?

 

Está sendo construido no pátio de armas uma estrutura metálica onde será  colocado um café. Evidentemente que este elemento estranho no “pátio de armas” interfere visualmente na leitura deste espaço, onde se formava a soldadesca e no qual ficavam as peças de artilharia, cujas carretas movimentavam-se, de um lado para outro apontando seus canhões contra os inimigos invasores. Quando se chega ao Forte, subindo a rampa e se passa pelo local da antiga “ponte levadiça” , logo se vê a tal estrutura de ferro. Particularmente, não sou contra o café, mas se ele for colocado nesse local, a estrutura tem que ser móvel, de forma que possa ser recolhida em determinados momentos. A praça de armas é um lugar sagrado dentro da fortaleza, era onde aconteciam as formaturas dos soldados, onde se hasteava a bandeira diariamente em cerimônia. Todas os atos da fortaleza aconteciam na praça de armas. Ora, se você ocupa esse espaço com uma estutura metálica fixa, ela vai inevitavelmente interferir, prejudicar a visibilidade e a leitura do conjunto.

 

CAU: qual a importância do Forte Santa Maria para o patrimônio da cidade de Salvador e da Bahia?

 

As nossas fortalezas são muito marcantes na imagem da cidade do Salvador (e de qualquer outra cidade) porque elas assinalaram a posse do espaço e da terra por parte do governo português. Embora algumas sejam modestas, em relação ao tamanho da nossa capital, não são menos importantes, pois elas foram determinantes na demarcação do território ocupado pelos colonizadores. Além do mais, elas são extremamente emblemáticas na imagem da cidade. Sempre que se quer retratar a cidade de Salvador, as imagens mais usadas são os seus fortes e as igrejas, eles são o testemunho de uma época que já se foi e da evolução da cidade e, como tal, dignas de todo o respeito na sua preservação.

 

CAU: em relação ao restante do Brasil, como está o cuidado e a utilização de nossas fortalezas?

 

Aqui na Bahia, estamos atrás do que tem sido feito no Brasil. Na verdade, estamos vivendo uma regressão. Eu não imaginava que seria possível acontecer algo como o que está acontecendo agora. Antes da criação do IPHAN e do IPAC, o respeito ao patromônio histórico dependia muito da iniciativa de alguns intelectuais e pessoas cultas, como Wanderley de Pinho e Teodoro Sampaio, eles tinham percepção do valor cultural dos testemunhos da nossa memória. Mas a população não tinha muito conhecimento sobre o assunto. Nos anos 30 por exemplo se derrubou a Sé da Bahia. E  quando pensávamos que tínhamos evoluído, temos uma regrassão como essa. É importante ressaltar que Salvador só tem essa feição, só tem essa cara, só é a cidade de Salvador, primeira Capital do Brasil, em função do que é antigo, senão ela seria uma cidade como outra qualquer. O que a faz uma cidade peculiar, o que a coloca no reconhecimento mundial é justamente o seu Centro Histórico, suas igrejas e suas fortalezas, testemunhos dos poderes militar e religioso de outras épocas. Tudo isso é o que dá a nossa feição, o que faz com que sejamos reconhecidos como a “primeira capital do Brasil” e faz com que tenhamos valor perante o mundo. As pessoas vem visitar nossa cidade porque temos um patrimônio notável.

 

CAU: como encontrar o equilíbrio entre a integração do patrimônio histórico à vida da cidade e sua preservação?

 

Não somos contra o café a ser instalado no Forte Santa Maria. Na Europa é tão comum encontrarmos hotéis e pousadas em prédios históricos. Mas tem que ser feito com sobriedade e respeito pelo testemunho que nos ficou. Tem que ser feito por gente qualificada para fazer tais intervenções. Projetamos, não faz muito tempo, o restauro da Fortaleza do Morro de São Paulo, cuja primeira etapa foi concluída com a restauração da muralha. Propusemos um restaurante para o Forte da Ponta, o que demonstra que nada temos contra novos usos para a edificação antiga. Eu acredito que poderia ser colocado o que se fizer necessário, desde que não se mude as características originais da época do tombamento. Por exemplo, uma parede de estuque, ela é o testemunho de uma técnica construtiva que foi utilizada em determinada época. Temos muitas igrejas e outros edifícios antigos com paredes internas feitas em estuque e taipa, faziam isso como divisórias internas, principalmente quando se apoiavam em estruturas de madeira. No Forte Santa Maria com a retirada das paredes internas o espaço foi desconfigurado, não é mais um espaço de pequenos cômodos. Tornou-se um grande salão. Podemos pensar, no Forte tinha um salão de dança, de festas? Com esta mutilação, as pessoas não fazem mais a leitura cultural do local como foi realmente. A experiência sensorial é outra.

 

 

CAU: falta qualificação a nossos profissionais arquitetos para o trabalho de restauro?

 

Todo mundo discute sobre o exercício profissional do resturador. O restauro só pode ser feito por quem adquiriu formação sobre o assunto. Em diversos congressos internacionais, inclusive do ICOMOS (International Council on Monuments and Sites), chegou-se a conclusão de que a formação do arquiteto já é tão laboriosa, é uma formação muito complexa para abarcar, ainda mais, no seu currículo de graduação um conhecimento interdisciplinar como é o do restauro. Ainda assim, há alguns anos se incluiu uma disciplina no currículo: técnicas retrospectivas. Mas isso são apenas seis meses de curso teórico, o que não é suficiente para dar treinamento consistente a um restaurador.

 

CAU: que tipo de equipe um trabalho restauro exige?

 

O trabalho de restauração implica um trabalho interdisicplinar. Então, no ensino de graduação em arquitetura, em geral, não é possível dar a formação necessária. Em primeiro lugar porque o estudante não projeta normalmente temas de restauro. Alguns alunos, por iniciativa própria, às vezes se dipõem a fazer o trabalho final de curso na área de restauro e se aprofundam no tema, mas não é a regra. A maior parte faz tábula rasa do argumento.

 

Quando se trabalha com o monumento antigo, existe um particular do qual tratamos amiúde no âmbito do CAU: ética. Quando se altera o projeto de um outro arquiteto, o assunto vai para as câmaras de discussão e se avalia o que foi feito com a criação de alguém. Com o patrimônio histórico, o cuidado, o respeito tem que ser o mesmo. Quem fez o Forte Santa Maria, às vezes um engenheiro militar anônimo, é uma pessoa, um profissional que já não pode nem mais se defender, pois já entregou os ossos à terra há muito tempo, é uma falta de ética com quem fez e/ou adequou o edifício, é principalmente uma falta de ética contra o nosso patrimônio histórico, um desrespeito à nossa memória através da mutilação que, tranforma a sua leitura que já não será mais a mesma. Há uma frase fundamental sobre o argumento, de um dos primeiros teóricos do restauro moderno, que viveu no fim do século 19 e início do seculo 20, Camillo Boito. Ele disse mais ou menos nestes termos, que, quando o arquiteto, diante do monumento antigo, ajoelha-se humildimente respeitando-o, estará melhor fazendo o seu papel, porque no momento em que ele começa aparecer, começa a dizer “eu também estou aqui, neste momento, o velho edifício tremerá”.

 

Além do mais, todos os momentos da arquitetura são significativos na evolução da cidade. Não só o colonial, mas também o ecletismo, o art deco, até o mau gosto é testemunho e história de alguma coisa. Portanto, a maior virtude de um resturador é a humildade diante daquilo que nos restou.

 

CAU: diante do que já foi feito no Forte Santa Maria, qual a solução agora?

 

Não podemos reverter o que foi feito, é como se tivessemos amputado uma perna a uma criatura. O que podemos fazer é evitar o pior, ou seja, não vamos deixar a pessoa sem andar, vamos colocar uma perna de pau, aliás também uma observação lúcida do nosso Camilo Boito. Foi com esse intuito que escrevi a carta para o IPHAN e que o PPGAU da Faculdade de Arquitetura da UFBA fez a moção de apoio. Não poderia me omitir perante a história na qualidade de antigo consultor do IPHAN, membro do ICOMOS e do ICOFORT.

 

Clique para ler a carta do professor Mário Mendonça ao IPHAN

 

Cique aqui para ler a para a moção de apoio do colegiado de pós-graduação em arquitetura e urbanismo da faculdade de arquitetura da UFBA à carta encaminhada ao IPHAN pelo professor Mário Mendonça

 

O CAU/BA entrou em contato com o a Superitendência do IPHAN que nos respondeu com as medidas que serão tomadas a partir das observações do professor Mário Mendonça.

 

Veja abaixo a íntegra da correspondência do IPHAN para o CAU/BA.

 

“Um projeto de restauro não se esgota por si só na elaboração de seus estudos, sondagens e prospecções, mas desenvolve-se e algumas vezes surpreende no decorrer da intervenção restaurativa e na implantação de novos usos e funções de um bem, como aqui vimos, não foi diferente no Forte de Santa Maria, surgiram indagações que desafiaram o projeto previamente estabelecido, o que propiciou, como é bastante usual em termos de Conservação e Restauro, algumas reuniões com especialistas e técnicos que puderam opinar sobre o tema, listamos à seguir o que se definiu.

 

  1. Recolocação das tijoleiras, as originais e as réplicas (com a mesma especificação da tijoleira encontrada), manter o mesmo desenho e ritmo do assentamento, para esse piso das salas do pavimento térreo;
  2. Remoção da rampa de acesso ao Forte, que apresenta problemas estruturais e descaracteriza o bem, para que em seu lugar seja instalada uma ponte metálica, cuja estrutura seja toda em aço inox, com perfis para assentamento das réguas do piso, que poderão ser madeira de lei;
  3. Com o intuito de possibilitarmos a versatilidade de uso do terrapleno para uso temporários e com a menor interferência possível ao Forte, deliberou-se que, apesar de ser reversível, o quiosque será removido e que em seu lugar será prolongado o deck em madeira, com sombreiros desmontáveis;
  4. Ao se remover o quiosque e havendo o interesse em manter a exploração de um Café, o interessado deverá apresentar, em projeto arquitetônico, as alterações para o seu uso, – para onde se deslocará a área de preparo, atendimento etc;
  5. As condensadoras permanecerão no espaço já determinado, em pequeno espaço lateral do pátio, contudo, serão camufladas com brises em madeira e espécies vegetais de pequeno porte, plantadas em jardineiras;

As ações de fiscalização e de acompanhamento da obra prevalecerão para que continuemos a manter a originalidade do bem, cujo intuito será o de sempre conservá-lo, assim como apreciamos que o seu uso adequado e corretamente elaborado também promoverá a sua preservação.

 

Sem mais para o momento.

Atenciosamente,

Maria Angélica Reis Schianta

Chefe de Escritório Técnico em Rio de Contas

IPHAN/BA – SIAPE 2097784”

 

FONTE: CAU/BA

 

Publicado em 11/03/2016

MAIS SOBRE: CATEGORIA

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

CATEGORIA

Fórum de Presidentes do CAU/BR cumpre extensa pauta em Belo Horizonte (MG)

ATENDIMENTO E SERVIÇOS

Central de Atendimento do CAU/BR não funcionará na Sexta-feira Santa

ACERVOS

Seminário TOPOS:  CAU/BR e FAU/UnB promovem debate sobre a importância de acervos e arquivos de urbanismo no país 

#MulherEspecialCAU

“Arquiteta, na solidão da sua profissão, seu nome pede valorização!”, defende Tainã Dorea

Pular para o conteúdo