CAU/BR

“Reserva técnica”: empresa acata Código de Ética e suspende prêmio

A Tégula, uma empresa do grupo Eternit, fabricante de telhas de concreto, anunciou que “devido a Regra 3.2.16 do Código de Ética e Disciplina do CAU/BR, inciso VI do artigo 18 da Lei No. 12.378”, suspendeu o prêmio Tettocash.

 

Segundo a empresa, seu objetivo é não prejudicar “nossos parceiros arquitetos/engenheiros integrantes dos clubes Prime e Plus, pois identifica-se como pagamento”. A empresa ressalta ainda que “a punição por receber esse tipo de bonificação é passível de advertência, multa, suspensão ou cancelamento do registro profissional”. O comunicado foi feito à equipe de vendas da Tégula pelo departamento de marketing da empresa.

 

O item 3.2.16 do Código de Ética e Disciplina do CAU/BR combate a prática da chamada “reserva técnica”, ou seja que o arquiteto e urbanista “deve recusar-se a receber, sob qualquer pretexto, qualquer honorário, provento, remuneração, comissão, gratificação, vantagem, retribuição ou presente de qualquer natureza – seja na forma de consultoria, produto, mercadoria ou mão de obra – oferecidos pelos fornecedores de insumos de seus contratantes”.

 

Em 2015, o CAU/BR deu início a uma campanha de valorização profissional ‘ contra a “reserva técnica” objetivando primeiramente conscientizar os profissionais. Para 2016 estão previstas novas ações, agora tendo como público-alvo lojistas, fabricantes e estudantes.

 

 

Peça da campanha de 2015 contra a “reserva técnica”

 

Matéria relacionada:

 

Haroldo Pinheiro: “reserva técnica” prejudica arquitetos e a imagem da profissão

 

Publicado em 27/01/2016

 

0 resposta

  1. Porque o CAU só se preoculpa com esse tema???
    Acho que tem FATOS mais GRAVES, que poderiam abordar!!
    Como por exemplo: SITES DE FALSOS ARQUITETOS, onde oferecem projeto Arquitetônico Completo por apenas R$ 3,00 /m2
    Isso sim FERI NOSSA PROFISSÃO!!!!
    Acho que NÃO É nada ÉTICO, deixar isso acontecer assim, SEM PUNIÇÃO NENHUMA!!!!

  2. Vejo como uma honrosa e acertada decisão!
    A Reserva técnica é pautadas sobre; regras, e as regras denotam boas condutas e sobre tudo Aspectos de Ética Profissional e de ordem Cívica.

  3. Essa “reserva Técnica” virou um câncer… Já vi cada absurdo…

    E esses grupos formados por lojistas/fornecedores, que pontuam os profissionais de acordo com as vendas e que depois transformam a pontuação em viagens e prêmios, também não se enquadrariam nessa regra do código de ética do CAU?!

  4. Corajosa, a Tégula,é por aí mesmo. Se não forem as atitudes de coragem como mudaremos o mercado? Na oportunidade gostaria de sugerir ao CAU que é preciso mesmo reforçar a imagem do arquiteto como solucionador de espaços e não aquele que encarece a obra. Em brincadeiras no facebook, vemos que a população em geral tem uma idéia de que, nossa profissão é legal e o que fazemos é muito lindo e trabalhado,mas encarece a obra, em contrapartida ao nosso colega engenheiro, que segundo alguns pensam, fazem é barateá-la.Precisamos trabalhar em nossa forma de abordar os projetos,amadurecendo,e precisamos de um reforço em mídia, para mostrar à população que a obra não pode ter só um ponto de análise:o custo. O caso de d. Dirce foi sensacional, é preciso continuar com estas iniciativas.

    1. Arlete, teremos novas campanhas neste ano abordando o “barato que sai caro” e instruindo a população sobre o que faz o arquiteto e urbanista. Aguarde novidades em breve!

    2. Claro que encarece, pois, se em cada produto e/ou serviço que o cliente comprar estiver uma margem de benefício para o arquiteto, além de sua remuneração pelo projeto/especificação, e administração não tem que aguente.

  5. Parabéns ao Cau e a Eternit. A Reserva Técnica é um absurdo.
    Sempre devemos lembrar que se cobramos integridade do Governo e políticos temos que buscar antes de mais nada em nossas vidas e profissão.
    Reserva técnica é corrupção com um nome mais bonitinho…
    Quem paga nosso trabalho é o cliente não o fornecedor com a melhor reserva técnica.

  6. O pior é que muitos lojistas ainda acham justa… Ficam nos convidando a comprar nas lojas deles por que fazem RT, e não por que a loja tem produtos bons, preços justos ou eficiência na entrega. Um absurdo.

  7. Finalmente! Vamos acabar com esta prostituição da profissão!!!
    No paraná tem uma associação Ponto de Apoio, em que lojas e profissionais pagam jóia e anuidade para fazer parte do “Programa de Pontos” um absurdo!

  8. Aproveitando a deixa…e a perda de FOCO.
    Tudo é uma questão de ponto de vista e nomenclatura.
    Remuneração equivalente por produtividade.
    Pelo valor do bem comercializado.
    Pelo que disseram que vale seu serviço prestado.
    Taxa, Índice, porcentagem sobre CUB, tudo isso é IMPOSTO.
    Simplesmente impõe que seu serviço seja remunerado por taxas de referencia e tabelas com cálculos impraticáveis…e por outro lado tem ENTIDADE QUE NOS DÁ um banho de COMO SE GANHAR um DINHEIRO “BEM GANHO”. NINGUÉM APONTA FALTA DE ÉTICA AOS ESPECULADORES. A especulação sobre todo seu serviço (projetos e responsabilidade por 5 anos).
    ISSO SIM É TRABALHO. A OBRA MAL ACABA E JÁ TEM CATEGORIA NO MERCADO GANHANDO EM CIMA DO QUE VOCÊ PRODUZ COM TANTO SUOR…reserva técnica não chega nem perto dos 3 a 5% do valor do “seu” imóvel construído que senhores engravatados superestimam…não!!! AVALIAM! que, o que voce criou tem um VALOR agregado tal…e bla bla bla.
    “A corretagem é uma taxa paga à título de remuneração de um intermediário financeiro pelos seus clientes. Normalmente, a corretagem é paga no momento da realização de uma operação de compra e venda de ativos mobiliários e corresponde à uma taxa fixa (corretagem fixa) ou uma porcentagem do volume do negócio realizado (corretagem variável).”
    Comentei com um cliente sobre a remuneração que ele pagou pelos serviços prestados pelos profissionais Arquitetos e Engenheiros…e o quanto ele estava pagando pelo serviço de corretagem; e para meu espanto, ele disse pagar com mais “prazer” o corretor, pois este gera lucro para ele.
    PARABÉNS AOS ESPECULADORES…QUE MANTEM ENGENHEIROS E ARQUITETOS TRABALHANDO E AQUECENDO ESTE MERCADO TÃO JUSTO E RENTÁVEL.

  9. E como ficam esses núcleos que pontuam e premiam os profissionais aparentemente “legais” e com diversos profissionais renomados em suas diretorias, alguns inclusive com apoio de associação comercial e industrial da cidade
    não seria uma RT disfarçada de pontos, viagens, descontos, com a desculpa de desenvolver as industrias?

  10. Nós arquitetos, temos que aprender a prestar serviço para os clientes, e não para lojistas, acho um abuso o que alguns profissionais fazem.

  11. Decisão correta, o caminho é esse!
    Mas há um longo caminho para o CAU e a categoria percorrerem na valorização dos honorários profissionais do arquiteto, inclusive na relação com outras categorias com atribuições compartilhadas e que se habituaram na má prática de oferecer projeto arquitetônico gratuito a quem contratar a execução da obra.

  12. Existem lojista que oferecem e existem Arquitetos que exigem .. Há os dois lados, sou lojista e tenho acompanhado tudo isso e na maioria das vezes a citação é de que o lojista é o vilão. Tenho visto nos últimos anos arquitetos que aparecem do nada e dizem sou arquiteto e trabalho com RT de X %. Tenho visto o profissional dizer fulano paga X pra mim e eu responder então compra com ele … e ele nem passar mais na porta da minha loja.Na minha região não são avaliados, bom atendimento, entrega, bons produtos, etc … são avaliados comissão .. Quem comissiona mais vende mais. E é engraçado que o bom profissional não faz essa exigência, não pede RT, não questiona ou se quer pergunta. Esse vem porque é bom profissional e quer o melhor para seus cliente por isso vem a nossa loja.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

CAU/BR

Nota Oficial: SICCAU

CAU/BR

CAU/BR reforça laços com parlamentares federais para fortalecer pautas da categoria

CAU/BR

Concurso CAU Brasil: resultado final das provas objetivas e resultado provisório da prova discursiva

CAU/BR

Conselho lança Relatório Marcas da Gestão CAU Brasil 2021-2023. Acesse versão digital !

Pular para o conteúdo