ARQUITETURA SOCIAL

Revista The Economist aponta erros das políticas públicas de habitação no mundo

 

 

Habitação foi o tema central da última edição da revista inglesa The Economist.  O artigo “O erro da habitação: a propriedade de casas é o maior erro político e econômico do Ocidente” apareceu na capa da edição impressa da publicação, do dia 16 de janeiro. O texto afirma que a posse de habitação é a raiz dos principais problemas econômicos do mundo contemporâneo, causando recessão financeira e acentuando a disparidade econômica, geográfica e etária. Segundo a publicação, a compra de propriedades foi incentivada por políticas públicas da década de 1950 – enquanto políticos de direita viam a propriedade como incentivo à cidadania responsável, os de esquerda acreditavam que a habitação era um canal de redistribuição de renda.

 

Desde então, os governos usaram subsídios, incentivos fiscais e vendas de moradias públicas para incentivar a ocupação pelos proprietários em relação ao aluguel. O comércio de casas, como resultado, causou quebras repentinas e doenças crônicas no sistema econômico. Foi a dívida de mais de um trilhão de dólares de empréstimos hipotecários que causou a quebra do sistema financeiro em 2008. O problema da habitação é agravado por cidades sem espaço para crescer, proprietários que mantêm casas maiores do que o necessário e jovens que não podem alugar ou comprar moradias. Na raiz dessa crise estão as políticas que dificultam a construção em áreas de concentração de empregos. 

 

A análise de dados do The Economist sugere que o número de novas casas construídas por pessoa no mundo rico caiu pela metade desde os anos 1960. As políticas públicas – que protegem os já proprietários e impedem a construção dos prédios que a economia moderna necessita – resultam em aluguéis e preços muito altos para moradia, o que dificulta a mudança de trabalhadores para esses espaços e desacelera a economia. De acordo com a reportagem, as políticas habitacionais apresentam três erros: tornaram muito difícil construir as acomodações necessárias para população; criaram incentivos econômicos imprudentes para as famílias direcionarem mais dinheiro para o mercado imobiliário; e não conseguiram projetar uma infraestrutura reguladora para restringir as bolhas imobiliárias.

 

MORADIA E ECONOMIA

A melhora econômica observada desde a crise de 2008 não refletiu no mercado imobiliário. Mesmo com recorrentes quedas de taxas de juros, os valores de moradia seguem aumentando, em um crescimento que não é acompanhado pelos salários. O alto custo de moradias criou desigualdades geracionais e geográficas. Pessoas mais jovens consideram casa própria fora de alcance. “Em 1990, a geração baby-boomers, com idade média de 35 anos, possuía um terço dos imóveis da América. Em 2019, a geração Y, com 31 anos, possuía apenas 4%”, diz a revista. 

 

A reportagem mostra que esse não é o único cenário possível para a habitação. A cidade de Tóquio, no Japão, construiu mais de 780.000 habitações entre 2013 e 2017 sem diminuir a qualidade de vida. A Suíça oferece aos governos locais incentivos fiscais para permitir o desenvolvimento habitacional. A Nova Zelândia recupera alguns dos ganhos dos proprietários por meio de impostos sobre terras e propriedades com base em avaliações que são frequentemente atualizadas.

 

Em alguns países, como na Alemanha, a taxa de propriedade da casa é baixa e com ampla oferta e poucas isenções ou subsídios para proprietários-ocupantes, o que torna a ideia da casa própria pouco atraente. Por outro lado, o país possui um setor de aluguel social que incentiva arrendamentos de longo prazo e fornece direitos claros e aplicáveis ​​aos locatários.

 

Os EUA limitaram sua redução de impostos para pagamentos de juros de hipotecas. A Grã-Bretanha proibiu taxas iniciais elevadas de contratos de aluguel e restringiu os empréstimos hipotecários arriscados. Em oposição ao movimento Not in My Back Yard (NIMBY – Tradução literal: não em meu quintal), que é contra a expansão de zonas urbanas, surge o Yes in My Back Yard (YIMBY – Tradução literal: sim em meu quintal), que busca incentivar a construção.

 

Clique aqui e leia matéria na íntegra.

5 respostas

  1. Esse texto é, no mínimo, mal informado. Que desserviço do CAU à classe com a sua publicação acrítica

  2. Que análise mais mal caráter! Pela lógica desta análise as pessoas tem se submeter a especulação imobiliária, porque a moradia e a casa própria vai enfraquecer o mercado! Vá!

  3. O artigo é bom … mas faltou explicitar com mais clareza as implicações econômicas e financeiras de questões demográficas em contexto geoeconomico. Em outra oportunidade vou analisar melhor e fazer os comentários que possa parecer de interesse para enviar a esse CAU/RJ.
    Att.
    F Scotti

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

CIDADES

Iniciadas Convocações para a 6ª Conferência Nacional das Cidades

CIDADES

Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul seleciona profissional de Arquitetura

CIDADES

CAU Brasil elogia regulamentação da Lei Padre Júlio Lancellotti mas lamenta que mídia siga relacionando-a com “arquitetura hostil”

CIDADES

CAU Brasil e Ministério da Cultura firmam parceria para fornecer assistência técnica em equipamentos culturais

Pular para o conteúdo