EQUIDADE

Seminário do CAU apresenta Carta pela Equidade e Diversidade

Documento foi construído pela CTRED, comissões e grupos de trabalho dos CAU/UF

O segundo dia de programação do Maio da Arquitetura, que concentra os principais eventos  do gênero em São Paulo, abriu com o I Seminário da Diversidade do CAU, promovido pela Comissão Temporária de Raça, Etnia e Diversidade. O evento foi marcado pelo lançamento da Carta pela Equidade e Diversidade no cotidiano e no Conselho da Arquitetura e Urbanismo. O documento apresenta onze ações afirmativas que procuram aprofundar a equidade e diversidade dentro do sistema CAU. Formulado coletivamente pela CTRED, comissões e grupos temáticos que tratam dos temas nos CAU/UF, a carta foi lançada em um ato marcado por discursos emocionados.

 

Em 2018, o CAU assumiu o compromisso com a agenda de promoção à equidade com a adesão à Plataforma de Empoderamento Feminino da ONU Mulheres e do Pacto Global. A partir de então, uma série de medidas foram adotadas e consolidadas sob a Política do CAU para a Equidade de Gênero. Saiba mais no hotsite Mulheres na Arquitetura e nas Cidades. Pela primeira vez, o levantamento racial da foi incluído no Censo dos Arquitetos e Arquitetas e Urbanistas do Brasil. 

A conselheira Claudia Salles, coordenadora da CTRED

Com a Carta pela Equidade e Diversidade, o CAU pretende aprofundar o combate ao racismo, à misoginia, homofobia, lesbofobia e transfobia dentro do CAU, seguindo a premissa de que é preciso se reconhecer dentro destas estruturas para oferecer respostas emancipatórias e superá-las. “A carta é um ponto importante para dar visibilidade a uma série de pautas que foram invisibilizadas dentro das instituições por muito tempo e vistas como não importantes para o exercício profissional. Com ela, tornamos possível fazer um debate franco e aberto que nos permita encarar os problemas de frente”, afirma a coordenadora da CTRED, Claudia Salles. 

 

Segundo a conselheira, representante do Ceará, a partir da estrutura institucional, o CAU é capaz de estender o debate e fazer compreender como essas questões interferem na condição de trabalho “Como estes temas ocorrem de forma velada, não fica claro como o racismo, a homofobia e a misoginia trazem prejuízos ao exercício profissional de mulheres, de homens e mulheres pretas, de homens e mulheres trans. Este público negligenciado foi durante muito tempo, e a carta tem o propósito de mostrar que ele existe e precisa do mesmo tratamento que os outros profissionais”.

A presidente Nadia Somekh recebeu o documento durante o seminário

“Somos diferentes, mas precisamos garantir que essas diferenças não incidam nas nossas condições de acesso e permanência na profissão. Na nossa formação, aprendemos a inventar, abstrair, vislumbrar possibilidades. Por que ainda temos tanta dificuldade de imaginar como deve ser estar no lugar de outra pessoa? Precisamos da diversidade na profissão para melhor atender a sociedade, entender as suas evoluções, as novas demandas e promover arquiteturas e cidades mais inclusivas”, diz a carta. Leia o documento na íntegra 

A presidente Nadia Somekh recebeu oficialmente o documento formulado pelas comissões. Ela saudou as presidências e representações dos CAU/UF presentes, demonstrando abertura para o debate nos estados, e agradeceu o trabalho das comissões que construíram o texto da Carta. A presidente destacou o avanço do tema nas gerações mais recentes. Resgatando o legado de Rosa Klias, lembrou que a própria paisagista afirmou ter escolhido este campo de trabalho por considerar menos competitivo com os homens. “Ainda somos sub representadas na política, mas nós fomos achando o caminho. Estamos em conflito, mas com doçura, buscando o que é positivo para todos nós”, afirmou.

A conselheira Camila Leal (PB) uma das redatoras da Carta

A conselheira pelo estado da Paraíba e uma das autoras do texto da carta, Camila Leal, destacou a necessidade de reconhecer os marcadores sociais de raça, gênero e diversidade no universo da arquitetura e urbanismo. “Não é possível discutir prática profissional e ética sem discutir as desigualdades sociais”, afirmou.

 

Também participaram da mesa de abertura as representantes do CAU/SP, Leda Van Bodegraven e Fernanda Menegari Querido; e a presidente da FNA e coordenadora do CEAU, Eleonora Mascia.

 

Assista ao vídeo da transmissão do I Seminário da Diversidade do CAU 

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

EQUIDADE

CAU Brasil lança projeto “Cadernos de Políticas Afirmativas”

EQUIDADE

Comissão Temporária de Políticas Afirmativas do CAU Brasil apresenta seu relatório final de atividades

EQUIDADE DE GÊNERO

Prêmio Carmen Portinho celebra o protagonismo das mulheres arquitetas e urbanistas

EQUIDADE DE GÊNERO

31/07 – Dia da Mulher Arquiteta e Urbanista: Semana da Habitação visibilizou a potência das mulheres na valorização da arquitetura

Pular para o conteúdo