CATEGORIA

Seminário Nacional de Ética abre com debate transdisciplinar aplicado à vida

Conselheiros dos CAU/BR e CAU/UFs participaram na quinta-feira, 19 de abril, da mesa-redonda “Ética na atuação do arquiteto e urbanista”. Os debatedores Nelson Job e Napoleão Ferreira provocaram o público a pensar a ética na visão transdisciplinar aplicada à vida e ao exercício profissional. Evento marcou o início das atividades do Seminário Nacional de Ética do CAU, que será sediado também no Recife e em outra cidade ainda a ser definida.

 

Coordenador da CED-CAU/RJ, Sérgio Nogueira, na abertura do Seminário Nacional de Ética do CAU/BR

 

Psicólogo, doutor em História das Ciências e das Técnicas e Epistemologia, Nelson Job apresentou histórico do pensamento humano até chegar a noção de ética moderna. A narrativa transitou pela filosofia, sociologia e outros saberes. “O que nos interessa é pensar a ética como prática do bem em habitar o cosmos. O arquiteto e urbanista trabalha para que a sociedade habite melhor. A ideia é pensar uma ética cósmica”, desafiou Job. No momento mais focado à atuação profissional, o palestrante citou o filósofo racionalista Baruch de Espinoza para defender que a cidade e os espaços devem ser planejados/construídos para conversar e promover bons encontros: “para Espinoza, bons encontros levam ao aumento de potência. Aumento de potência leva à alegria, que leva à liberdade e depois à beatitude, que faz parte do cosmo”.

 

A partir da exposição de Job, o presidente do CAU/CE e ex-coordenador da Comissão de Ética e Disciplina do CAU/BR, Napoleão Ferreira, fez observações sobre a ética aplicada na atuação do arquiteto e urbanista. Ao explicar as diferenças entre ética e moral, o arquiteto defendeu o estabelecimento de uma ética específica adequada à profissão, que deve se distinguir das demais. “Essa ética deve ser estabelecida através de um código que determine os procedimentos aceitáveis para que a atividade possa ser exercida com segurança e possibilite o desenvolvimento pleno da profissão”, afirmou.  Para Ferreira, a conduta profissional precisa ser abordada a partir do julgamento da adequação da ação ao desempenho eficiente da produção da arquitetura e urbanismo.

 

Nelson Job propõe arquitetos e urbanistas pensarem em uma ética cósmica

 

“A regra 1.2.2 do Código de Ética e Disciplina do CAU/BR ilustra bem o problema do julgamento quando determina o que o arquiteto e urbanista deve exercer, manter e defender a autonomia própria da profissão liberal, orientando suas decisões profissionais pela prevalência das suas considerações artísticas, técnicas e científicas sobre quaisquer outras. Aqui há a concepção que o sujeito autônomo, que atingiu um grau de conhecimento sem ter que acompanhar a opinião do rebanho, terá que manter os compromissos com que ele considera como a verdade e responsabilidade profissional”, explicou Ferreira.

 

Coordenador adjunto da CED-CAU/BR, Nikson Dias e o presidente do CAU/CE, Napoleão Ferreira

 

CAU/RJ sedia primeira edição do Seminário Nacional de Ética

 

O Rio de Janeiro foi escolhido para sediar o 14º Seminário Regional da Comissão de Ética e Disciplina após sugestão do conselheiro federal pelo Rio Carlos Fernando. A programação foi pensada em dois momentos: mesa-redonda aberta ao público e reunião para discutir a utilização de perícias técnicas na condução de processos ético-disciplinares e a Resolução CAU/BR 143/2017, que unifica normas e procedimentos para a condução de processos ético-disciplinares pelos CAU/UFs e pelo CAU/BR.

 

Para o presidente do CAU/RJ, Jeferson Salazar, é um prazer receber conselheiros e profissionais de outros estados. Ao abrir a mesa-redonda de quinta-feira, destacou que a ética na profissão vai além da relação entre arquiteto e arquiteto, arquiteto e sociedade, arquiteto e cliente. “No país, em que a grande discussão do momento é a ética, discutirmos o tema é extremamente relevante. Temos aí um compromisso muito sério com aquilo que chamamos de ética, que não deve ficar apenas no discurso, mas precisa estar nas nossas práticas diárias”, afirmou Jeferson Salazar.

 

Segundo o presidente em exercício do CAU/BR, Guivaldo Batista, realizar o primeiro Seminário Nacional de Ética do ano no Rio de Janeiro tem um significado enorme. “Trata-se de um momento extremamente oportuno diante do que estamos presenciando. Isso rebate na nossa atividade profissional, uma vez que causa reflexos em toda a cadeira produtiva que a construção civil carrega, e nós arquitetos estamos dentro desse processo”, ressaltou Batista.

 

Presidente em exercício do CAU/BR, Guivaldo Batista, e presidente do CAU/RJ, Jeferson Salazar

 

 

Fonte: CAU/RJ

MAIS SOBRE: CATEGORIA

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

Assistência Técnica

Mais médicos/Mais arquitetos: mais saúde para o Brasil (artigo de Nadia Somekh no portal do Estadão)

CATEGORIA

Seminário de Urbanismo debate Planos Diretores para novos tempos

CATEGORIA

Políticas urbanas e ambientais nas cidades brasileiras em pauta na Trienal

CATEGORIA

Seminário da AsBEA debate recuperação de imóveis subutilizados

Pular para o conteúdo