CATEGORIA

Simpósio Narrativas de Uma Prática

 

O Instituto Tomie Ohtake, com a realização da Bertani Arte e Cultura e apoio da AkzoNobel, propõe um simpósio acerca da produção arquitetônica contemporânea. O contexto brasileiro, ainda escasso de debates desse tipo, pouco vem fomentando reflexões críticas acerca da prática arquitetônica e o caráter de seus projetos.

A partir desse horizonte, alguns arquitetos foram convidados a refletir como a prática profissional vem enfrentando as problemáticas urbanas atuais, com variáveis cada vez mais complexas e suas demandas socioambientais, econômicas e programáticas.

A oportunidade de refletir sobre essas questões soma-se à possibilidade de receber um dos mais importantes nomes da arquitetura contemporânea portuguesa, Eduardo Souto de Moura.

 

PROGRAMAÇÃO

ARQUITETURA CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA: DIAGNÓSTICOS E DESAFIOS
Os arquitetos que integraram o júri da segunda edição do Prêmio de Arquitetura Instituto Tomie Ohtake AkzoNobel são convidados à mesa para refletirem sobre o contexto em que se insere a prática arquitetônica atual no Brasil. Com base também nos perfis dos projetos apresentados ao prêmio, os arquitetos tecerão considerações sobre as limitações, horizontes e tendências a que os projetos da jovem geração de arquitetos brasileiros vêm se direcionando.

 

Abilio Guerra – arquiteto pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo PUC-Campinas, mestre e doutor em História pelo IFCH Unicamp. É editor da Romano Guerra Editora e do Portal Vitruvius e professor da FAU Mackenzie

Carlos Teixeira – arquiteto pela Escola de Arquitetura da UFMG e mestre em urbanismo (distinction, Architectural Association). É fundador do escritório Vazio S/A Arquitetura e Urbanismo.

Shundi Iwamizu – arquiteto formado pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo. É sócio do escritório SIAA, e atualmente é docente na Escola da Cidade.

SOUTO DE MOURA, UM DEPOIMENTO PORTUGUÊS

 

O arquiteto apresenta sua produção contemporânea, pautada pelo contexto português e sua vivência junto à Faculdade de Arquitetura do Porto. A mesa pretende discutir a trajetória do arquiteto, focada principalmente pela sua produção atual, visando contextualiza-la e problematiza-la no cenário arquitetônico internacional.

Eduardo Souto de Moura – arquiteto português formado pela Escola Superior de Belas Artes do Porto onde foi professor. Foi professor-assistente do curso de arquitetura na Universidade do Porto e professor convidado da Faculdade de Arquitetura de ParisBelleville, nas Escolas de Arquitetura da Universidade de Harvard, e de Dublin, na Irlanda, bem como na ETH de Zurich e ainda na Escola de Arquitetura de Lausanne.

 
Os debates serão mediados por Paulo Miyada (arquiteto e Mestre pela FAU-USP, curador-adjunto do 34º Panorama da Arte Brasileira e curador do Instituto Tomie Ohtake), e Priscyla Gomes (arquiteta e mestranda pela FAU-USP, membro do júri do Prêmio de Arquitetura em 2015 e 2016, integra o Núcleo de Curadoria do Instituto Tomie Ohtake).
A participação no Simpósio é gratuita e sujeita à disponibilidade de vagas.
Mais informações pelo telefone (11) 2245.1937 ou pelo email [email protected]

 

FONTE: INSTITUTO TOMIE OHTAKE 

Publicado em 15/03/2016
MAIS SOBRE: CATEGORIA

0 resposta

  1. Parabéns por este importante espaço de reflexão e a oportunidade que é oferecida.
    Seria viável uma parceria com o IAB rj para acontecimentos como este atingirem um numero maior de interessados?
    Adoraria participar mas não consigo estar em SP no meio da semana..
    Obrigado se puderem disponibilizar o conteudo da discussão neste site.

    Abçs

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

CATEGORIA

Fórum de Presidentes do CAU/BR cumpre extensa pauta em Belo Horizonte (MG)

ATENDIMENTO E SERVIÇOS

Central de Atendimento do CAU/BR não funcionará na Sexta-feira Santa

ACERVOS

Seminário TOPOS:  CAU/BR e FAU/UnB promovem debate sobre a importância de acervos e arquivos de urbanismo no país 

#MulherEspecialCAU

“Arquiteta, na solidão da sua profissão, seu nome pede valorização!”, defende Tainã Dorea

Pular para o conteúdo