EVENTOS

VI Diálogos Franco-Lusófonos discute uso dos espaços públicos no Brasil e na França

Casos e experiências de ocupação do espaço público no Brasil e na França estão em evidência durante o VI Diálogos Franco-Lusófonos, entre 8 e 10 de novembro. A sexta edição do evento tem como tema “Espaço Público: Costumes, Desvirtuamento e Reivindicação” e é organizada pelo IAU-USP de São Carlos. A presidente do CAU Brasil, Nadia Somekh, foi moderadora da primeira mesa: “Produção e privatização do Espaço Público”. Para refletir sobre as tensões entre o público e o privado na produção do território, foram convidados os professores Mauro Munhoz, Mauro Calliari e a professora Sabrina Bresson.

 

 

 

 

Assista à mesa na íntegra!

 

A presidente Nadia Somekh apresentou iniciativas de ocupação do espaço urbano na França impulsionadas pela mobilização social e pelo empreendedorismo: o projeto Paris Rive Gauche, que reconfigurou uma antiga área industrial; o centro cultural Le Frigo, edificação de um antigo frigorífico ocupado por coletivos culturais; e a Station F, antigo pavilhão localizado na Halle Freyssinet que deu lugar a um campus de startups. A partir das experiências, Nadia convidou os participantes à reflexão coletiva sobre ações concretas que possam levar à transformação da realidade e das cidades brasileiras. “Se o projeto de arquitetura transforma o território, nós arquitetos construímos o território. Como presidente do CAU/BR, tenho a missão, junto com os nossos arquitetos, de melhorar o nosso país especialmente neste momento de retrocessos”, afirmou.

 

 

 

 

Em seguida, houve a exposição do arquiteto Mauro Munhoz. Responsável pelo projeto de requalificação da Praça da Matriz de Paraty, Munhoz falou sobre a experiência de intervenção urbana na cidade que abriga um dos eventos literários mais importantes do país, a Festa Literária Internacional de Paraty. A proposta considerou os aspectos histórico, natural e o patrimônio imaterial da cidade para acomodar a vocação artística há cerca de vinte anos. “A FLIP é uma manifestação cultural que imagina uma cidade aberta, que constrói membranas permeáveis para que as pessoas possam se ver representadas”, disse o arquiteto. “A literatura, como a arquitetura e o urbanismo, só existem quando habitados pelo público. O livro só existe quando é lido; o espaço público só existe quando quem o habita reconhece, no seu arranjo, os elementos identitários da sua ancestralidade e da experiência que carrega consigo”, considerou.

 

 

 

O terceiro convidado foi Mauro Calliari, doutor em urbanismo, autor do livro Espaço Público e Urbanidade em São Paulo e do blog Caminhadas Urbanas. Calliari lançou seu olhar sobre territórios em disputa entre o interesse público e privado na capital, trazendo enfoque para o uso da cidade a partir da caminhabilidade. A palestra evidenciou seis espaços: o Parque Augusta, a Rua Guaicuí, a Praça do Pôr do Sul, o Estádio Pacaembu, o projeto do Boulevard da Diversidade e o Minhocão. Para Calliari, se o espaço é a expressão da sociedade, a forma como a cidade lida com os conflitos “é revelador sobre a saúde da sociedade”. “Na cidade de São Paulo, os envolvidos (stakeholders) ainda não sabem resolver seus conflitos. Em algumas situações, sequer os reconhece”, disse o palestrante.

 

 

A partir das experiências apresentadas, a socióloga Sabrina Bresson, professora da Escola Nacional de Arquitetura Paris-Val de Seine, foi convidada a repercutir e analisar o processo de privatização dos espaços públicos nas cidades francesas e brasileiras. A professora  ofereceu comentários sobre os casos apresentados e falou sobre a necessidade de definir as concepções e usos do espaço público. Apesar dos contextos distintos, observou a professora, tanto o Brasil quanto a França têm a desigualdade social como principal elemento gerador dos conflitos no espaço público.

 

 

 

Os Diálogos Franco-Lusófonos acontecem a cada dois anos desde 2011 com a intenção de projetar o olhar de pesquisadores e urbanistas sobre os desafios globais e locais. A sexta edição estava prevista para ocorrer no ano passado e foi transferida por conta da crise sanitária provocada pela Covid-19. As atividades têm transmissão ao vivo pelo canal do Instituto de Arquitetura e Urbanismo (IAU) da Universidade de São Paulo (USP), Campus São Carlos – SP  no Youtube. Nesta terça, o tema da mesa principal é Espaço Público, Espaço Comum: Reexistências. Assista aqui

 

Confira a programação completa

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Confira a programação completa

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

EVENTOS

Patrícia Sarquis Herden é presença confirmada no 3º Fórum Mundial Niemeyer 

EVENTOS

Inscrições abertas para o Fórum Urbano Mundial

EVENTOS

World Architecture Festival (WAF) recebe inscrições com desconto até 28 de março

EVENTOS

Estão abertas as inscrições do 7º Congresso Internacional de Arquitetura da Paisagem

Pular para o conteúdo