Valorização Profissional

VI Encontro Nacional de Coordenadores da CEF destaca importância da formação continuada

Foi realizado em Brasília, dia 16 de maio, o VI Encontro Nacional de Coordenadores da CEF. Integrantes da Comissão Ordinária de Ensino e Formação e conselheiros das CEF dos CAU/UF discutiram o andamento de ações anteriormente iniciadas, além de planos de ação para 2023.

 

Entre os assuntos discutidos, foram o Congresso UIA, banco de dados, RRT acadêmico, estágio e extensão, e avaliação das condições de oferta de cursos de graduação em Arquitetura e Urbanismo.

 

Destacou-se a importância da valorização da formação continuada dos profissionais de arquitetura e urbanismo, e houve uma apresentação do Portal de Formação Continuada do CAU/BR.

 

Claudia Sales, coordenadora-adjunta da CEF e também coordenadora da Comissão Temporária de Raça, Etnia e Diversidade, contou que no II Encontro da Diversidade, realizado no dia anterior, “90% das perguntas da plateia foram sobre formação, não sobre exercício profissional”.

 

O encontro também contou com a presença do presidente do CNE (Conselho Naciontal de Educação), Luiz Roberto Liza Curi. Ele fez a revisão das novas DCN (diretrizes curriculares nacionais) do curso de graduação de Arquitetura e Urbanismo, após as contribuições recebidas durante o III Congresso de Arquitetura e Urbanismo de Santa Catarina, em Chapecó, realizado em setembro de 2022. “Podemos fechar o texto e votar na primeira semana de julho”, avalia o presidente.

 

 


Curi também comentou sobre cursos EAD e como sua expansão acontece a passos largos, sem avaliação adequada, e que a realidade de muitos polos é chocante. “O EAD precisa passar por uma vasta e profunda revisão”, disse. “Na arquitetura formamos profissionais que vão intervir na sociedade, com ideias e também com intervenções materiais.”

 

O coordenador da CEF, Valter Caldana, ressaltou a especificidade do papel das DCN nos cursos de arquitetura: “Na nossa legislação, as atribuições profissionais são feitas a partir das diretrizes curriculares, o que quer dizer que o diálogo é provocado pela lei. As DCN, para o CAU, têm papel importante. Então, o CAU deve ser não só mais um agente interlocutor, mas trazer um aporte da organização da profissão e das atribuições profissionais desde o nascimento das DCN”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

Valorização Profissional

“Reescreva sua história. Reforme com arquitetas e arquitetos” é o tema de nova campanha de valorização profissional

Atividades privativas

CAU dos Estados e do DF apoiam repúdio do CAU Brasil à Resolução Nº 205/2022 do Conselho Federal dos Técnicos (CFT)

ATENDIMENTO E SERVIÇOS

Valorização profissional: Campanha do Dia do Arquiteto e Urbanista 2022 está no ar

Acessibilidade

Campanha Mais Arquitetos 2022 mostra que Arquitetura e Urbanismo é acessível a todos

Pular para o conteúdo